Turnover: o que é e qual a importância desse indicador no RH?

Turnover vem do termo em inglês que significa “rotatividade”. Em resumo, trata-se do índice de entradas e saídas de funcionários em determinado período de tempo. Hoje, é um dos indicadores mais importantes do setor de recrutamento e seleção.

O termo em si parece simples, mas uma análise aprofundada mostra que o entra-e-sai de profissionais pode ter consequências bem complexas para o negócio. Por isso, não basta apenas olhar para o número: é preciso contextualizá-lo com as decisões tomadas pela empresa em um determinado período.

Afinal, o que é turnover?

O turnover nada mais é do que a taxa de rotatividade de colaboradores em uma empresa, ou seja, o número de novos colaboradores comparado àqueles profissionais que deixam aquele ambiente de trabalho.

É verdade que o turnover pode sinalizar que a gestão de pessoas não vai bem e há perda de talentos importantes. Mas, também pode indicar que a empresa está crescendo. Por exemplo, quando uma empresa está em expansão, a tendência é que profissionais sejam contratados com frequência. Então, o número de entradas será elevado em relação ao total. Agora, se muitos colaboradores estão pedindo demissão, certamente existe algo errado no negócio e precisa ser ajustado.

Para avaliar se o turnover é algo bom ou ruim para empresa é preciso analisar a situação, para identificar se o processo que está acontecendo na empresa é positivo ou negativo.

Qual a importância do turnover?

O desligamento de um colaborador sempre envolve custos. Não só de verbas rescisórias, horas e férias a pagar, mas cada contratado necessita de tempo para se desenvolver dentro da organização antes de conquistar um bom desempenho. Assim, quando o profissional deixa a empresa muito cedo, esse investimento é perdido.

Uma empresa eficiente precisa ficar atenta e aplicar mecanismos que avaliem os impactos de determinadas ações no negócio para identificar o que funciona ou não na rotina de no trabalho.

Confira algumas considerações que devem ser levadas em conta em relação ao turnover:

  • Seus impactos são diretamente sentidos na produtividade, na satisfação dos colaboradores e no lucro do estabelecimento;
  • Investir na retenção de profissionais talentosos é ainda mais barato do que o processo de contratação de novos;
  • Os empregados que permanecem podem ficar sobrecarregados com as tarefas;
  • Essas mudanças constantes geram um desassossego no clima organizacional, o que pode gerar conflitos;
  • Um turnover reduzido preserva a imagem da empresa e o capital financeiro e intelectual.

O indicador de rotatividade não é de todo ruim e tem vantagens, mas como comentamos anteriormente, vai depender da forma de gestão e dos objetivos da empresa naquele determinado momento.

Tipos de turnover 

A seguir, vamos falar sobre os tipos de turnover. Assim, você vai conseguir se preparar melhor diante de pedidos de demissão.

Turnover voluntário

O próprio colaborador pede o desligamento da empresa. Essa situação costuma acontecer por diversos motivos, como insatisfação com a posição ocupada no ambiente de trabalho ou remuneração. É mais frequente entre profissionais com ensino superior ou executivos que estão em busca de novos desafios, por exemplo.

Turnover involuntário

Aqui, a empresa é que desliga o colaborador. Dentre os motivos estão o baixo desempenho do profissional, problemas financeiros da empresa, dificuldade de relacionamento com a equipe e descumprimento de contrato de trabalho.

Turnover funcional

É considerado benéfico para a empresa. Esse tipo de turnover acontece quando alguém que já está com baixo rendimento pede para sair do trabalho por conta própria. Além de a empresa poupar os custos da demissão, abre-se uma oportunidade para um profissional mais apto para a vaga.

Turnover disfuncional

Trata-se da perda de um colaborador de alto desempenho. Isso acontece quando a empresa é incapaz de reter um grande talento, o que pode causar um grande impacto para construção do capital humano do negócio. Com isso, pode haver perda de produtividade ou uma baixa na qualidade de entrega da empresa, atingindo também os clientes.

Como calcular o turnover? 

Para esse cálculo, é preciso que você tenha os dados de entrada e de saída de empregados do negócio. Esses números serão somados e divididos por dois. Por fim, o resultado deve ser dividido pela quantidade de trabalhadores do estabelecimento.

Imagem1

Essa é a fórmula para cálculo do turnover simples, mas ela pode ser associada a várias outras métricas que permitem uma análise mais apurada da situação da empresa.

Qual é o percentual ideal para o turnover? Turnover ideal x aceitável

O setor de RH de cada empresa deve estabelecer o que considera como turnover aceitável. Sem dúvida, é normal que mercados diferentes tenham taxas distintas – os mercados de saúde e tecnologia, por exemplo, são mais disputados, o que leva a um índice de rotatividade maior.

É importante estabelecer o índice de turnover ideal. Sobre o assunto, estimativas mais conservadoras consideram o índice de 1% ao mês aceitável. Contudo, mais importante do que o percentual em si é a avaliação do que pode estar causando o turnover. Um alto índice de rotatividade significa pode indicar que mais colaboradores estão querendo sair da empresa do que permanecer trabalhando neste ambiente. Este é um sinal de alerta e merece atenção, sendo um indicativo de que o negócio está passando por problemas. Por isso, é melhor agir para solucionar a questão.

Um turnover alto ou baixo também é relativo. Se formos analisar, em uma empresa pequena, que possui 50 colaboradores, a saída de um deles já vai representar um índice acima de 1%. Mas, no caso das grandes, com mais de 300 funcionários, se o turnover for acima disso, será preocupante.

Como evitar a rotatividade e melhorar o indicador de turnover?

Problemas relacionados a captação e retenção de talentos geralmente tem impacto direto no indicador da rotatividade. Se essa for a realidade da sua empresa, é preciso agir rápido para reverter essa situação e criar uma marca empregadora cobiçada entre os profissionais.

Contratar bons profissionais, com alinhamento de fit cultural, as necessidades e expectativas da empresa é fundamental. Para isso, a inteligência artificial está cada vez mais ganhando espaço dentro dos processos seletivos e auxiliando os profissionais da área a formarem equipes de alto rendimento. Com isso, ressaltamos que investir em novos talentos é bem importante, mas sem deixar de lado quem já faz parte da equipe, ou seja, estimular a retenção de talentos! Essa é uma forma de manter o time engajado e motivado.

Quando estamos formando um novo time, o ideal é que os novos colaboradores sejam selecionados de uma maneira assertiva, a empresa precisa ser muito verdadeira durante o processo de contratação. Quando todos os pontos são esclarecidos, dificilmente deixarão a empresa em pouco tempo. Afinal, um dos maiores prejuízos para empresa é quando existe o investimento em treinamento e a pessoa logo pede para sair.

3 formas de reduzir a rotatividade

Quando o nível de turnover é elevado, os responsáveis devem buscar soluções para evitar o avanço dessa condição. Por isso, confira agora 3 dicas para auxiliar na redução desse indicador:

  1. A revisão do processo de recrutamento e seleção e o contrato de trabalho é essencial;
  2. Manter plano de carreira e a política de cargos e salários é importante para reduzir o turnover voluntário;
  3. Promover um ambiente de trabalho agradável e um bom clima organizacional, além de feedbacks frequentes com diálogo aberto entre líderes e equipes;

Para finalizar, nós separamos um conteúdo que pode ajudar você a entender mais sobre captação de talentos e marca empregadora que irá auxiliar você na construção de um ambiente de trabalho ainda mais acolhedor. Clique aqui e acesse agora.

Aposte na tecnologia para tornar a sua jornada de trabalho menos burocrática, agora que você já sabe um pouco mais sobre turnover, saiba mais sobre a inteligência artificial no processo seletivo.